Madame Bovary – Gustave Flaubert

quinta-feira, 6 de dezembro de 2018


Sinopse: Madame Bovary é um romance de Gustave Flaubert. Chamado de "romance dos romances", Madame Bovary é considerado pioneiro dentre os romances realistas, tornando-se famoso por sua originalidade. Posteriormente, levou à cunhagem do termo "bovarismo" na psicologia, em referência às características psicológicas da protagonista. Quando foi lançado, Flaubert foi levado a julgamento pela obra, despertando um grande interesse pelo romance.


Um pouco sobre a história: Madame Bovary narra a história de Emma, uma mulher triste e solitária criada no campo, mas que tem grandes sonhos burgueses.
Emma é muito apegada a seus livros e acredita que sua vida será igual aos romances que lê. Emma se casa com Charles Bovary, um médico do interior pobre e que não se parecia nada com os principies de contos de fada que ela tanto almejava. A partir deste momento o livro traz uma série de acontecimentos deprimentes que inclui o casamento tedioso de Emma e Charles.
Emma, completamente frustrada por sua escolha procura novas aventuras e acaba tendo um envolvimento fora de seu casamento, percebendo, com o passar do tempo, que a vida real é bem diferente daquela retratada nos livros.

Primeiras impressões: Madame Bovary é um livro que aborda diversos temas polêmicos ao cotidiano e época em que foi retratado, além de trazer inúmeras mensagens e sátiras a autores do romantismo. Me pareceu mais como uma crítica aos contos de fadas, sobretudo quando ele mostra a realidade dos casamentos e relacionamentos arranjados (sem generalizar okay galera?) somado ao fato de que Emma entrou naquilo sem amor, sem compreender que para viver um amor ela precisaria amar.
Charles, também, é um homem muito devoto, ingênuo e completamente apaixonado por Emma, mas não é correspondido, em vez disso é desprezado pela mulher.

Impressões finais: Os personagens criados por Flaubert neste romance são exagerados, icônicos e completamente desajeitados, incluindo a sogra de Emma, que faz o típico papel de sogra amargurada.
A obra traz severas críticas a política, religião e ao momento social em que se encontra, como os costumes da época e moral da mulher. Não é à toa que Flaubert é o marco da escola realista e influenciou tantos autores que vieram depois, não é mesmo?
Não esqueçam de levar em conta que a história de uma mulher adúltera, sonhadora e insatisfeita com o próprio casamento jamais seria censurada se o ano não fosse 1857.

Sobre o autor: Gustave Flaubert (Rouen12 de dezembro de 1821 – Croisset, 8 de maio de 1880) foi um escritor francês. Prosador importante, Flaubert marcou a literatura francesa pela profundidade de suas análises psicológicas, seu senso de realidade, sua lucidez sobre o comportamento social, e pela força de seu estilo em grandes romances, tais como Madame Bovary (1857), A Educação Sentimental(1869), Salambô (1862) e contos, tal como Trois contes (1877).


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Desça já da minha nuvem - Todos os direitos reservados - Por: Louder Design