Feridos - por escolha ou destino. Autora: Jhey Lee

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Sinopse: Quando a sua alma está ferida, despedaçada a tal ponto que a sua única saída é se entregar, fugir da realidade, deixar a mente te levar a outro mundo...Vícios.Brigas.Morte.Feridos retrata não a história de vida de gangues repletas de lindos meninos, não fala de um amor impossível... Feridos vai além de suas próprias páginas, revela o submundo das drogas, o refúgio que muitos buscam para tentar ser livres, mas acabam caindo em uma prisão eterna.Gangues disputam o espaço, brigam por território. Para eles não se trata somente do lugar físico, mas eles brigam por cada jovem. Eles disputam por suas vidas.Tiram o direito do livre arbítrio. Formam dependentes e os quebram em pedaços.Não vamos falar de Tigres, Dragões, Panteras Negras, Irmãos Slater, ou do romance entre AngelLee e Nick.Vamos falar de tantas vidas que estão retratadas nas entrelinhas desse livro.Feridos desnuda a sua alma e vê a sua tempestade pessoal. Deixe Feridos te resgatar dessa batalha interna.

Em um momento você acha que está tudo bem, e que nada vai estragar sua felicidade, de repente sua vida da um giro de 360º

Boa tarde nuvenzinhas do meu coração, preciso contar algo muito singelo porém astronomicamente maravilhoso para vocês. Quando conheci a autora Jhey Lee (já falei dela na resenha de Contos de Terror, para acessar clique aqui) me interessei de cara pelas obras dela, que além de muito bem escritas e bem trabalhadas, também tinham aquelas capas maravilhosas.
Claro que com a edição da Bienal do Rio de janeiro 2017 a Jhey optou por modificar um pouco tanto a capa de Contos de Terror como a capa de Feridos, segunda obra da autora e da qual eu venho falar e, para ser bem honesta, só melhorou, cada vez mais. 
Eu tenho um carinho imensamente especial pela Jhey, mas, além disso, tenho o maior orgulho de poder ter conhecido uma escritora talentosíssima e que conseguiu me emocionar mais que uma vez.
Dificilmente fico com aquela sensação de ressaca literária com algum livro que leio, e digo isso porque sempre leio mais de um livro ao mesmo tempo justamente para não ter esse constrangimento desatento de fazer aquela cara de boboca que fiz quando terminei de ler a obra Feridos.
Um pouco sobre a história: Feridos retrata a história da vida de gangues, revelando o submundo, as drogas e as escolhas que cada um faz e até onde cada um está disposto a ir em busca de liberdade. Nesta história comovente, temos como protagonista AngelLee , a garota foi transferida do Japão para um novo colégio, a Academia Elite e o Conselho Estudantil designou que ela ficaria alocada na casa dos irmãos Slater, grandes conhecedores das artes marciais.
Acontece que tudo é muito novo e diferente para Angel, uma menina bonita e completamente diferente das outras garotas, de certo, atrai atenções, e, como em toda boa história, aos poucos, Angel ganha seu espaço e conquista a amizade de cada um dos membros das mais diversas gangues, integrantes da Academia.
Na Elite existem diversas "facções" lideradas por diversos meninos no Kung Fu, a dos Tigres, Dragões, Panteras Negras e acredita-se que o Kung Fu é a melhor forma de resolver diferenças entre eles.
Então, durante essa enorme batalha de egos, Angel aprende um pouco sobre cada um e sobre si mesma.
Primeiras impressões: O nome do livro é “Feridos, por escolha ou destino” e assim que eu vi, imaginei uma série de situações que poderiam levar alguém a se ferir. Parece bobo dizer isso em voz alta, mas a verdade é que todas as coisas que acontecem na nossa vida tem um momento. Logo de cara fiquei encantada pelo Kurt e pela Angel, o jeito doce dela em contraste com o mau humor do garoto me fizeram rir muito.
Kurt mesmo sendo arrogante, se queixava por não ter seu irmão sempre ao seu lado e culpava o garoto por todas as coisas ruins que aconteceram a ele, incluindo o fato de ser usuário de entorpecentes.
Logo percebi que o livro me traria as mais diversas emoções, somando problemas e conflitos a uma delicada e divertida história.
Impressões finais: O Kurt foi o personagem que mais me emocionou, mesmo achando que as vezes ele é um pouco imaturo e rabugento, além, obviamente, de cretino, foi o personagem por quem eu senti mais afeto.
Um dos temas abordados no livro é como a “droga” consegue degradar uma pessoa além da forma com que outras pessoas a sua volta são, também, afetadas.
Ainda assim, em que pese seja um livro com tema relativamente polêmico, a Jhey conseguiu trazer isso de forma doce e descontraída.
Angel me encantou, assim como a forma que escolheu para encarar seus problemas, sempre com um passo de cada vez e, obviamente, rodeada de garotos extremamente lindos.
Sempre penso que se eu tiver algumas dificuldades na vida que elas venham recheadas de pessoas do bem, acho que amizade é uma das coisas que mais importam mesmo, além da confiança desenfreada em você mesmo.
A verdade, a grosso modo é que a gente se ferra! Se ferra porque escolhemos ser ferrados, se ferra porque alguém ferrou a gente, ou se ferra simplesmente porque tinha que se ferrar ou porque alguém teve alguma atitude não altruísta que desencadeou uma serie de outras atitudes ruins. E, ao meu ver, Feridos me mostrou um pouco disso, que a cada dia podemos estender a mão ou apenas ignorar, mas seja lá o que escolhermos afeta não apenas a nós mesmos mas a outras pessoas criando uma rede de acontecimentos.
Sobre o autor: Jhey Lee é Paranaense, formada em Letras Português Inglês pela UTP.
“Ler e Escrever são duas Artes Excelsas. Maravilhosas”!
Apaixonada pelo mundo da literatura e por tudo que o cerca, ama os livros, sejam eles ficção, biografia, crítica literária, psicologia, psiquiatria... Fã de J. K. Rowling, Virginia Woolf, Edgar Allan Poe, Meg Cabot, Mary Shelley, Pedro Bandeira... A lista é infinita, afinal, o mundo da literatura é muito rico e incrível!
Jhey gosta muito de assistir a vídeos literários, uma maneira de acompanhar a experiência de leitura de outras pessoas.
“Quando escrevo posso ser quem eu realmente sou, sem medos e sem reservas, uma escritora, que ama o que faz e luta por seus sonhos, desejando intensamente que meus livros proporcionem ao menos uma mudança positiva em cada leitor”.
“Acredito que a leitura proporciona vida e sonhos, e independente do que aconteça, escrever é o que sei, é o que sou. Vou escrever até o meu último suspiro”

Um comentário:

  1. Muito obrigada Thatálinda!!! Amei sua resenha! Amei ver Feridos através dos seus olhos. Gostei da sua explanação sobre se "ferrar" é a mais pura verdade. Sobre estender ou não a mão ao próximo e desencadear uma rede de acontecimentos, também é outra verdade.
    Obrigada Thatá, não só pela resenha, mas pela parceria e por ser tão maravilhosa 💖💖💖

    ResponderExcluir

Desça já da minha nuvem - Todos os direitos reservados - Por: Louder Design