E se... - Autora Giovanna Vaccaro

quarta-feira, 25 de setembro de 2019


E se cada momento de sua vida viesse com uma segunda chance? Logan Moore tem todos os direitos quando reclama de sua vida. Ele foi baleado em um beco escuro e mandado para um reformatório injustamente. Tudo o que ele quer é cumprir seu tempo naquela mini prisão e, então, sair e viver sua vida normal novamente. No entanto, Olívia chega para mudar todos os cursos de sua vida, fazendo Logan se apaixonar da pior maneira possível. O que Logan não sabia era que o destino lhe dera uma chance de consertar seus erros e os erros das pessoas que ama. Em um segundo, ele se vê preso a uma pergunta insistente: acreditar ou não quando seu pai diz que há uma maneira de viajar no tempo e evitar que uma grande tragédia aconteça mais para frente? Logan, desacreditado, no entanto, decide enfrentar as barreiras do espaço-tempo e descobre que essa escolha talvez tenha sido a pior de sua vida. Problemas que traumatizam Olívia, mortes e até amizades desfeitas são algumas das causas pela qual Logan está disposto a arriscar sua vida… e seu tempo.


Queria muito esse livro, confesso. Desde que a Gi publicou, mas só consegui adquirir meu exemplar na Bienal de São Paulo no ano passado e, infelizmente, como meus dias ainda não tem 72hs, a resenha saiu só hoje mesmo, hehe
Bom, como o livro é simples, leitura gostosa e acabei furando toda minha lista metodicamente organizada de leitura para apresentar “E se...” para vocês. Já vou dizer que amei, além de ter dado um mega abraço na Gi.

Um pouco sobre a história: O livro traz a história de Logan, um jovem que foi colocado injustamente em um reformatório e acaba se apaixonando por Olivia, Logan parece um pouco cético e se cobra por alguns acontecimentos do passado até que tem a chance de mudá-los por meio dos experimentos de seu pai sobre uma pílula que torna capaz que alguém volte no tempo.


Primeiras impressões: Leitura gostosa é um livro bem diferente, foge do clichê convencional dos romances que estão pelo mercado hoje dia. Como o livro é narrado em primeira pessoa, os pensamentos do protagonista tornam fácil a imersão no mundo caótico que ele se encontra. Traz mensagens legais sobre como não desistir, confiar e acreditar.


Impressões finais: Uma das  coisas que mais gostei sobre essa obra é que, apesar de ser um livro do gênero drama, a história além de envolvente vai desenrolando aos poucos tornando possível se apaixonar por cada personagem. Me fez refletir sobre as escolhas e sobre o fato de que muitas vezes precisamos desistir de algo que queremos para entender que finalmente merecemos mais. Afinal de contas, o que fariam se tivessem a chance de voltar no tempo e consertar todas as coisas que até então pareciam erradas?


Sobre o autor: Giovanna Vaccaro nasceu em 2000 e mora em São Paulo com sua família, onde cursa Jornalismo. Apresentou o “Clube do Livro” na TV CAPRICHO ao vivo em 2016 e participou da Galera CH. Publicou “Procura-se”, seu romance de estréia, aos catorze anos, e "E se..." um ano depois, além de ter participado de diversas antologias. Responsável pelas áreas de produção gráfica e mídias sociais na editora Coerência, é claramente de humanas — apesar de certa tendência para exatas. Leonina e viciada em séries da Netflix, cria playlists aleatórias no Spotify. Atualmente, tem se dedicado a escrever suspenses com pitadas de física para adolescentes.


Desça já Recomenda: Ela quer tudo

sexta-feira, 23 de agosto de 2019

Sinopse:
Baseada no filme She's Gotta Have it (Ela Quer Tudo) de Spike Lee, a série acompanha a personagem Nola Darling, uma artista do Brooklyn com seus 20 anos lutando para se definir e dividindo seu tempo entre seus amigos, seu trabalho e seus três amantes: o modelo Greer Childs, o banqueiro Jamie Overstreet e o b-boy Mars Blackmon.





Nas aulas de psicologia social eu tive o meu primeiro contato com algo feito pelo Spike Lee, o Faça a coisa certa. Não é meu filme favorito, mas sem dúvidas impacta bastante. Mas fiquei bastante tempo se ter contato direto com algo feito por ele, até eu resolver ver a série ao invés de deixá-la com enfeite na minha lista.



Impressões: Apesar de ver e ouvir resenhas negativas, falando sobre o teor sexual da série, isso é apenas uma parte do todo. A série utiliza disto sim como recurso para que um tema seja desenvolvido por episódio, no entanto munido de uma ótima trilha sonora vemos outras coisas sendo tocada, seja a auto aceitação ou quaisquer outros assuntos. Sugiro que coloque a pré conceito numa caixinha e veja o programa pensando fora dela. Que tal? #sepermita depois me conte o que achou. Vou amar termos uma conversa no privado. É claro que a série tem sim falhas (que por vezes é a própria protagonista), mas algo que eu vejo sendo pago pelo restante do programa.



Playlist: A série possui duas temporadas e aqui está o link da trilha sonora.


Trailer:
         

Você de Caroline Kepnes

terça-feira, 20 de agosto de 2019


Sinopse:Quando uma aspirante a escritora linda e atraente entra na Livraria do East Village onde Joe Goldberg trabalha, ele faz o que (quase) qualquer pessoa interessada faria: pesquisa no Google o nome que consta em seu cartão de crédito. Para a sorte de Joe, existe apenas uma uma Guinevere Beck na cidade de Nova York, e ela posta incessantemente nas redes sociais tudo o que ele precisa saber: que ela é apenas Beck para os amigos, que frequentou a Brown University, mora na Bank Street e estará em um bar no Brooklyn esta noite - o lugar perfeito para um encontro ao acaso. Ela não sabe, mas é a mulher perfeita para Joe. E quando Joe começa a orquestrar obsessivamente uma série de eventos para garantir que Beck caia em seus braços, ela acaba não resistindo às suas investidas. Passando do papel de stalker para namorado, Joe transforma-se no homem perfeito para Beck, ao mesmo tempo em que remove sorrateiramente todos os obstáculos no caminho dos dois. Mas também há muito mais em Beck do que a fachada perfeita, e o relacionamento mutuamente obsessivo do casal rapidamente se desdobra em um turbilhão de consequências mortais. Um relato devastador de uma farsa implacável, Você é um suspense arrebatador sobre vulnerabilidade e manipulação na era das redes sociais, capaz de provar que o amor também pode ferir. E muito.

Esse livro chegou até mim através de um grupo do livro que indicou, mas confesso não ter lido e nem quando lançada a série YOU eu juntei uma coisa com a outra ( às vezes consigo ser incrivelmente lerda kkkk), então eu vi primeiro a série por conta tanto do elenco quanto por minha amiga falar bastante na minha cabeça e depois de ver tanto a série quanto ter visto um vídeo ( creio eu ser da Foquinha) enfim tomei vergonha na cara e iniciei a leitura.

O que achei do livro: O Joe faz você questionar o certo e o errado se vacilar um pouco, culto apesar de não ter um diploma acadêmico o rapaz assim como a autora engana o leitor como se não tivesse tão errado assim ser como ele é, sendo só um cara com um crush numa cliente da livraria, mas a todo momento há algo que sinaliza para ficar esperto. Porém, ele diz agir em nome do mais nobre dos sentimentos então tudo bem ele falhar, até porque por vezes você fica empático por alguém que só quer ser especial para a outra, mas a questão é aonde fica o limite disso? Mas somos empáticos então deixamos de lado algo machista pensado por ele, parece cuidado, amor, a crença do rapaz de mente deturpada, e ao meu ver menos carismático que na versão série, faz com que você embarque na onda dele como se tudo fosse uma comédia romântica de boa. Até porque a musa do Goldberg não é uma pessoa que todos amam incondicional então é inato ficar do outro lado do casal, assim como também os personagens como a melhor amiga da protagonista, Peach que não tem uma personalidade cativante Outra coisa interessante é que em meio as referências durante a leitura nos é mostrado o final. Será que você viu isso?
Primeiras impressões: As primeiras folhas eu já quis socar esse homem, mas tive medo dele ao mesmo tempo. Apesar da história se passar da perspectiva de Joe nunca dá para romantizar as coisas, ele sempre faz algo para nos mandar a real que ele tem problemas mentais desde citar o remédio que toma até algo que faz pensar no clipe de Animals da banda Maroon 5 ( que por acaso me deixo desconfortável por uns dias).


"Seus lábios foram feitos para os meus, Beck. Você é a razão pela qual eu tenho uma boca, um coração."
Impressões finais:Achei que seria uma resenha fácil de fazer, já que a leitura era de algo que eu já tinha conhecimento, mas não porque a mente densa do Joe me fez necessitar fazer umas pausas para uma limpeza mental mesmo que eu não sei como são as outras pessoas, mas eu filosofo e as vezes entro em pinos com o que leio, assim como sai com livros entrando para lista de compras, mas talvez compre online. Porque, né? #passandolongedeJoe's. Mas real, entrei em reflexão sobre eu sou responsável pelo que posto, mas não pelas N interpretações que faram sobre minhas fotos, as postagens e até mesmo o que entendem da minha  forma na forma de vestir, me portar e um bando de coisas em uma parte Joe no stalker virtual solta algo mais ou menos assim: "Sua bio no Twitter é uma forma sutil de anunciar que é louca por atenção, que não tem padrões, e que dará audiência a qualquer cretino que diga olá?"

É muito louco, como mesmo tudo isso é ficcional é tão real também. Louco e assustador, me dá um certo medo ao pensar que eu não sei quem está do outro lado da tela, qual é o pensamento quando fala comigo. Talvez ser medrosa às vezes é a verdadeira coragem.


Curiosidade - Livro & Série:
Houve todo um medo de que durante as gravações, que  fosse romantizado o personagem principal stalker e realmente parte de uma galera entrou nessa. TEEEEEENSO! Afinal perto de alguns personagens o rapaz é visto como não tão ruim.

Uma das propagandas da série era exatamente tentativa de que as pessoas entendessem a roubada!

Até mesmo a fotografia da série foi distorcida nas extremidades por se passar em primeira pessoa na cabeça do Joe que na série não diz, mas no livro durante a primeira cena o rapaz afirma mentalmente o usa de medicamentos como lorazepam.

Erramos ao dizer que a série foi baseada somente no livro de mesmo nome, na real foram dois romances de Caroline Kepnes: You e Hidden Bodies.

A escolha do nome dos personagens foi proposital para que fosse bem fácil achar Guinevere Beck e Joe Goldberg não, visto que o segundo é um nome bem mais comum em Nova York, ainda falando de nome a  Peach, melhor amiga da Beck, se chama assim pela autora achar o nome tão irritante quanto à pela personalidade da moça e também por significar pêssego, um fruto que muito maduro e doce que atrai muitas moscas e pode te deixar enjoado.

Penn Badgley sabia desde o começo que Joe e Dan Humphrey, de Gossip Girl, seriam comparados. Para ele, Joe acaba sendo uma progressão de quem Dan poderia ter se tornado. E chegou a quase não fazer a série por não curtir Joe.

O personagem Paco, que é o mais importante para a humanização do Joe só existe na série mesmo para que o "Save the cat" do protagonista. Outros personagens que não existem é Claudia, Ron ou Raj.

A narrativa na segunda temporada ganha novos ares tendo como locação Los Angeles.
Sobre a autora:
Caroline Kepnes é autora de contos e romances. Você, seu primeiro romance, foi traduzido em 19 idiomas e deu origem a uma série de TV, que está se encaminhando para a segunda temporada. 

Desça já recomenda: Lucifer

quarta-feira, 5 de junho de 2019


Um pouco da história: A série se desenvolve ao redor de Lucifer Morningstar, que está entediado e infeliz como o Senhor do Inferno. Ele renuncia seu trono e abandona seu reinado para tirar férias em Los Angeles, ondedá inicio a uma casa noturna com a ajuda de sua aliada demoníaca Mazikeen. Depois que uma celebridade a quem Lucifer ajudou alcançar a fama é assassinada, ele se envolve com a polícia de Los Angeles, onde começa a ajudar a Detetive Chloe Decker a resolver casos de homicídio e encontrar os responsáveis para que possa "puni-los".

Criamos um hábito de sempre contarmos como chegamos  até um livro ou série. E bem aqui estamos nós, ela chegou ao meu conhecimento através de uma página de Facebook no estilo da Cinematologia exatamente igual aqui debaixo e eu achei engraçado, me julguem hahaha. Eu passei a procurar pelo programa até encontrá-lo.


Impressão: A série apesar que nome impactante possa assustar algumas pessoas, é bem construída e engraçada sendo um ótimo entretenimento. Os episódios são no mesmo formato que outras com essa pegada policial, o caso do episódio em si e mais uma porção do que rola do lado pessoal dos personagens. Uma das que merece sua atenção, na minha humilde opinião é Mazikeen feita brilhantemente por Lesley-Ann Brandt sendo a dona do meu coração além da porra toda, mas cada um pode se identificar com outras pessoas da trama. Qual seria o seu? Comenta aí embaixo e vamos conversar!😉

"Eles me culpam por tudo(…). Mas eles são responsáveis pelos próprios atos e se odeiam por isso." - Sr. Morningstar


Playlist: As músicas da série você pode ouvir clicando aqui.


Curiosidade: Depois da divulgação, a associação americana " One Million Mom" criou uma petição contra o espetáculo alegando que a produção glorificava Satanás como uma pessoa carinhosa e até amável.

A série já está na sua quarta temporada, no entanto quase deu adeus uma temporada antes quando o canal FOX cancelou a mesma alegando problemas com audiência, porém, os fãs foram ao Twitter fazendo a campanha de resgate #SaveLucifer e a plataforma Netflix resgatou a série.

A série de fantasia e investigação é baseado na verdade em quadrinhos do selo Vertigo ( uma divisão da DC Comics).

Sobre os quadrinhos o nosso Lucifer foi uma criação de Neil Gaiman, escritor da série Sandman. Ele deveria ser somente uma participação. Mas em 1999, ganhou um quadrinho no estilo spin off e só no ano seguinte os quadrinhos passaram a ter história própria.

O senhor Morningstar é considerado o segundo mais poderoso de todo o Multiuniverso da DC perdendo apenas para Yahmeh e empatando com Miguel Demiurgos.

Neil Gaiman nunca deixou implícito o quanto é fã de David Bowie e por este motivo que nas HQs o cantor e o Primeiro dos Caídos são bem parecidos.

E como é de se imaginar apesar de dividirem a mesma premissa a série televisiva e os quadrinhos são completamente diferentes.


Trailer:

Zinescritos#03

terça-feira, 21 de maio de 2019

Sinopse: Mais uma edição do Zinescritos: uma pequena amostra de amor à literatura dos escritores deste coletivo independente. Um trabalho que é realizado desde 2015.
Nesta terceira edição, temos o prazer de ter as estreias de Claudia Mina e Kaori Bruna, além dos contos de Balthazaar Pacco, Daniel Constantini, Hugo Sales, Marecelo Aceti, Rafaela Manicka, Sandro G. Moura, Stephanie Santana e Thiago Lee.
Esperamos que goste e ...
#ValorizeaLiteraturaBr
  Assim como o Zine#02, este livreto chegou em minha mão em outubro de 2018 durante o Congresso do Livro em pauta quando fomos indicadas à uma premiação por um conto na Antologia Sem mais, o amor, mas regressando sobre como ganhamos o  livro foi basicamente através de um dos organizadores, Daniel Constanini.

PS: Essa junção de contos foi organizado esse ano por André Pacheco, Daniel Constantini e Sandro Pacheco.
PS2: Como se trata de uma coletânea, o post não terá a estrutura de sempre, está bem?

PS3: Tentarei o máximo falar sobre cada um com o mínimo de possibilidade de spoiler, ok?

Amor de Marfim - Balthazaar Pacco 
Somos levados à anos atrás, precisamente a era jurássica com a história de amor de Piutogak por Anmaikiki, eu poderia sim facilmente dizer que trata de um simples um amor inter-racial e platônico, apesar de utilizar de protagonistas animalescos, no entanto ao meu ver isso tudo nada mais é que uma metáfora básica que o leitor pode ter visões distintas, mas tem uma variável comum a todas, o sentimento.

Trégua - Claudia Mina 
Com uma narrativa diferenciada, sob os olhos de Anderson pouca coisa posso dizer da trama, além do pensamento na minha cabeça: Aonde esse mundo vai parar ou seria onde devia parar? Leiam e me digam sua conclusão.

Mariane Castelo - Daniel Constantini 
Sem sombra de dúvidas o conto traz em seu nome sua narradora. Tenho que confessar que a primeira vez que li a estória me questionava mais sobre quem fora Mariane do que sobre seu discurso foi um belíssimo tapa na cara:

"Como se a tinta fosse mais pesada que as atitudes".

Simplificando ao extremo a singularidade e otras cositas más sobre o individuo mais excêntrico por assim dizer: o bicho homem

A Fuga - Hugo Sales 
Primeiramente gostaria de declamar que enquanto lia não consegui para de pensar numa música chamada Diásporaconseguia enxergar todas as sensações de Lionel numa parte em especifico. Agora voltando a escritura que em poucas linhas causa uma forte empatia entre leitor e personagem ao ponto de me fazer chorar (sério, eu chorei). enfim, o conto se passa num futuro não tão distante em que damos dos passos a frente e uns 1888 para trás. Ops! Acho que falei demais , mas sério. Leiam!

Postal - Kaori Bruna 
William é uma garoto especial (ao meu ver) e também bastante conhecido em ver sua região por seus postais que nem sempre eram bem vista,afinal um detalhe que tornava os divergente de qualquer outro. Especialmente para mim o texto é lindo e merece um pouco.

Sob Controle - Marcelo Aceti 
A história que se passa no ano de 2023 com incríveis e assustadoras possíveis realidades, "brincando" com pequenas verdades já ocorrida causa rápida e angustiante imersão em algo que inicio para que vai te contar o porque de algo, mas na verdade é muito mais sobre silenciar a voz da nação, de todas elas.

Almas Perdidas - Rafaela Manicka 
Caetano vive em um tenso conto de horror que me deixou verdadeiramente com medo, apesar de ter uma pegada que lembrou alguns livros e filmes já conhecidos por mim, a leitura te pega em outro momento.

Verdades Indigestas - Sandro G. Moura 
Azazel vulgo um dos sete anjos do inferno e relacionado ao pecado capital da Ira (fascinante por si só mesmo, pelo menos para mi persona) é quem nos presenteia nessa história de diversas formas interessante e polêmicas assim como o assunto em pauta, uma crítica magnifica à intolerância instalada enquanto faz o mesmo com uma televisão.

E se o tempo não passar? - Stephanie Santana 
Em terceira pessoa parte do dia da interiorana Marília é discorrida, se a atenção não for dada só parece mais um dia normal de alguém bastante preguiçosa, mas claramente a moça está com problemas, é totalmente belo como é retratado um estado de baixa na depressão pelo  lado do enfermo, talvez porque eu entendo isso e sei como é difícil afinal dizem sempre que é frescura no minimo fora outras coisas, no entanto o final é uma verdade real e oficial!

Verde e Azul -  Thiago Lee 
Essa história contada em terceira pessoa passasse na sala de aula do segundo ano B durante uma aula de matemática, que o professor ancião reclama a ausência de seus pertences e é interessante como ficamos no escuro até a última frase do texto. Obrigada!


Chovendo Tags: 7 Pecados capitais

quarta-feira, 17 de abril de 2019

Fonte: Pinterest




Oi amores, acho que todos  que já leram um blog literário ou mesmo viu um canal do YouTube sobre o assunto já se deparou com as famosas tags. Então Eu e a Pink resolvemos fazer um quadro assim chamado Chovendo tags. Que assim além de ser divertido vocês conhecem um pouco mais de nós duas, não podíamos começar diferente.
A tag de hoje é a famosa sete pecados. Vamos lá?

GANÂNCIA: Qual foi o livro mais caro e o mais barato?
Thais: Mais caro foi o Batman e o mais barato acho que nove livros de Star Wars que comprei por cinco reais cada numa promoção do Submarino.
Ingrid: Bem, eu ganho a maior parte dos meus livros seja de mamis ou dos meus amigos. <3 No entanto do meu bolso mesmo foi Juncos da Juli Zeh e o mais barato foi Porque Indiana, João? do Danilo Leonardi numa oferta da Bienal do Livro.

GULA: Qual foi o livro que você devorou rapidinho?
Ingrid: A luz no fim do túnel

PREGUIÇA: Qual o livro que começou a ler, mas sempre deixa como segunda opção?
Thais: Morte Súbita
Ingrid: A rainha do sul

IRA: Com qual autor você tem uma relação de amor e ódio?
Thais: Stephen King
Ingrid: Eu não tenho nenhum no momento, mas já foi David Nicholls

ORGULHO: Qual livro da sua estante você mais se orgulha em ter ou falar sobre?
Thais: Laura porquê foi o primeiro livro que eu escrevi.
Ingrid: Ah! Eu tenho orgulho de todos, mas sou indecisa para escolher um só (culpem meu signo se quiserem kkkkk), enfim seriam E não sobrou nenhum,  A garota de Vegas e a antologia Sem mais, o amor. O primeiro foi pela dificuldade de tê-lo em mãos e amar a Senhora Agatha, já em Vegas eu ajudei na produção sendo beta e na venda tenho orgulho de toda a experiência. E para fechar com chave de ouro Sem mais, o amor é um troféu, um triunfo que nem em um milhão de anos eu ia imaginar que seria possível. Eu tenho um conto nele com a Pink e fomos indicadas a uma premiação. Com a escrita dela e essa amizade maravilhosa eu sai do buraco direto para o topo. É acho que no fim eu acabei escolhendo meu OR-GU-LHO!

INVEJA: Qual livro você sempre vê por aí, todo mundo tem, e você deseja ardentemente?
Thais: A coleção de Harry Potter ilustrada haha

Ingrid: Então gostaria de ter a coleção do Harry Potter, mas com a capa de 2017

LUXÚRIA: Quais atributos você acha mais atraente em personagens masculinos e femininos?
Thais: Me atraio fácil pelo não convencional, os clichês e seus mimimis.
Ingrid: O que mais me atrai em personagens é o sarcasmo, muito, mas do que o "físico" ou outro ponto bem singular, um personagem que sabem usar isso me ganha em dois tempos.

Saga Crepúsculo – Livro 02 – Lua Nova (autora: Stephenie Meyer)

quarta-feira, 27 de março de 2019

Sinopse: Para Bella Swan, há um coisa mais importante do que a própria vida: Edward Cullen. Mas estar apaixonada por um vampiro é ainda mais perigoso do que ela poderia ter imaginado. Edward já resgatara Bella das garras de um monstro cruel, mas agora, quando o relacionamento ousado do casal ameaça tudo o que lhes é próximo e querido, eles percebem que seus problemas podem estar apenas começando... Legiões de leitores que ficaram em transe com o best-seller Crepúsculo estão ávidos pela sequência da história de amor de Bella e Edward. Em Lua nova, Stephenie Meyer nos dá outra combinação irresistível de romance e suspense com um toque sobrenatural. Apaixonante e cheia de reviravoltas surpreendentes, essa saga de amor e vampiros segue rumo à imortalidade literária.


Um pouco sobre a história: Segundo volume da Saga Crepúsculo, neste tomo a história ganha um rumo completamente diferente do primeiro. Isabella ainda tenta se adaptar com a vida em Forks, mas tudo era mais fácil quando tinha Edward ao seu lado que a garota descobriu ser de uma linhagem de vampiros.
Edward com medo de ferir a garota se afasta deixando o caminho livre para Jacob. Nessa toada, enquanto Isabella tenta esquecer o vampiro, se aproxima tanto de Jacob que sente seu coração confuso com relação a seus sentimentos.

Resenha do primeiro aqui.

Primeiras impressões: Acho que fiquei depressiva com a primeira metade do livro, extremamente melancólico. A autora conseguiu levar o autor a partilhar os sentimentos de Bella de tal forma que senti vontade de socar a cara do Edward (fora o fato de que no filme os personagens são extremamente mal trabalhados).
Me encantei com Jacob e torci horrores por ele como potencial par a Bella, mas confesso que o filme foi bem infeliz com este personagem que sequer senti qualquer afeto.

Impressões finais: Primeiro vou dizer algo que não disse na outra resenha, eu amo a Alice. Okay todo mundo sabe que eu adoro esse nome, mas a personagem é tão fofa e intensa que me fez adorar cada vez mais, além, obviamente, dela ser praticamente a melhor amiga da Isabella.
Edward é um mala, todo certinho, inteligente, mas meio chatinho.
Não pensem vocês que sou team Jacob, porque também acho ele mala e clichê, fazendo mais o tipo bad boy que tem aversão pela escola e sai por ai desfilando de moto com aquele cabelo maravilhoso.
Agora o Emet? Ah... o Emet <3 que vampiro é aquele! Forte, lindo, personagem bem construído, independente sem mimimi.
Amei a aparição dos Volturi nesse livro. Inclusive amei a aparição deles no filme também e Jane (interpretada pela atriz Dakota Fanning) é a melhor!

Trailer:


Sobre o autor: Stephenie Morgan é uma escritora americana, conhecida pelos best-sellers da série Twilight (Crepúsculo). Graças à repercussão da série Crepúsculo, Meyer foi classificada como 49º na lista da revista Time das "100 pessoas mais influentes em 2008". Em 2010, a Forbes classificou-a como a 59º celebridade mais poderosa, com salário anual de US$ 40 milhões.
Os livros da série Crepúsculo já venderam cerca de 120 milhões de cópias ao redor do mundo, com traduções em 37 línguas diferentes, para 50 países. A adaptação cinematográfica de Crepúsculo foi lançada nos Estados Unidos em 21 de novembro de 2008, e no Brasil em 19 de dezembro. Stephenie Meyer também é autora do romance de ficção científica The Host, tendo este estado também em primeiro lugar na lista de best-sellers do New York Times. (fonte Wikipedia)

Desça já da minha nuvem - Todos os direitos reservados - Por: Louder Design